INÍCIO | MAPA DO LOCAL | INTRANET | CONTATO |

Top 5 da semana
Ocasiões visitadas: 39
Novena ao Amor Misericordioso
Ocasiões visitadas: 28
Filhos do Amor Misericordioso
Ocasiões visitadas: 19
São Benedito Cottolengo
Ocasiões visitadas: 16
Quem somos?
Ocasiões visitadas: 15
Via sacra

Início » VENERÁVEL MADRE ESPERANÇA » Sua Vida » Aprendendo a amar


Aprendendo a amar

Estes primeiros anos de sua vida religiosa estão marcados por uma série de provas e sofrimentos físicos e morais mediante os quais o bom Jesus, como ela os chamava, vai modelando sua madeira a fim de prepará-la para a missão que a espera. Aprende a ciência do amor tornando-se disponível como uma vassoura, fixando seu olhar na cruz de Cristo e saindo ao encontro dos pobres.

Com assombro de alguns e receios de outros, as pessoas que com ela conviviam iam vendo que Deus lhe concedia numerosas graças extraordinárias. Sofrimentos físicos atrozes misturavam-se com consolantes experiências místicas. Hoje, à distância de tempo, vemos com clareza que Deus tinha posto seu olhar nesta sua humilde serva e a reservava para levar a termo um projeto especial em benefício da humanidade. A ser a depositária de um carisma extraordinário, o de difundir no mundo a devoção do Amor Misericordioso.

Foram seus diretores espirituais que, desde a privilegiada perspepectiva de sua alma aberta como um livro, puderam vislumbrar sua missão e a prepararam para isso. Como ocorre na grande maioria dos santos, também na Madre Esperança alternam-se gravíssimas enfermidades e inexplicáveis curas.

No dia de Natal de 1927 acontece um episódio decisivo para entender o que Deus quer dela. Faz parte da comunidade que habita na rua Toledo de Madri. A casa não pertence à Congregação das Claretianas e sim a uma Associação de Senhoras Católicas. Madre Esperança prepara, com a ajuda da Providência, uma comida para uns 400 pobres que, famintos, enchem a casa. Naquele momento chega uma senhora da Associação. “Diz-me: quem foi que a autorizou a juntar tanta gente para sujar a casa? Nao, senhora! Esta pobre gente não veio para sujar, mas para comer, pois, hoje é Natal... Guarde-se de trazer novamente aqui estes pobres. Poderá fazê-lo só o dia em que a casa seja sua. Eu muito apenada acudi ao Senhor e Ele me disse: Esperança, onde não podem entrar os pobres, tampouco tu deves entrar; fora desta casa!... Senhor: para onde vou?” (Exh. 15-08-66).

Deus a chamava, como fez com Santa Teresa, não a uma vida tranqüila e regalada ou a uma congregação cômoda e rotineira, e sim a uma contemplação sublime e a uma caridade solícita.



Artigos relacionados da seção: Sua Vida:


Religiosos sacerdotes FAM
Religiosos sacerdotes FAM
 
Início | Mapa do local | Contato | Cadastro | Cadastro Vocacional Copyright ©2008- Família do Amor Misericordioso
eXTReMe Tracker